17 de outubro de 2014

Wishlist literária - Outubro/Novembro

Olá pessoal! Infelizmente to meio atolada de coisas pra estudar (nem deveria estar aqui na verdade) então não estou conseguindo bolar muitos posts realmente legais. 
Só pra não deixar o bloguinho às moscas, resolvi fazer mais um post desses que eu adoro fazer mas geralmente só faço às vésperas do meu aniversário: uma wishlist! 
Dessa vez a wishlist é literária porque eu realmente não acho que estou precisando gastar dinheiro com nada mais na minha vida por um bom tempo (aliás, querendo juntar pra tatuar e pra viajar também). 
Sem mais delongas vamos nessa! 


O Mundo de Gelo e Fogo - George R. R. Martin

Mais um livro do vovô Martin que eu quero na minha coleção. Ele ainda nem começou a ser vendido e vai sair por um precinho beeeeeeem salgado, mas eu quero, eu preciso desse livro. 
Ele é a versão westerosi do tão desejado "The Complete History Of Middle Earth" que eu tanto quero mas só tem versão em inglês e custa entre R$700 e R$900 nas interwebs brasileiras.
Ai meu coração. </3 


Scott Pilgrim Contra o Mundo Vol. 1 - Brian Lee O'Malley 

Eu quero essa coleção há anos, e acabei ganhando de aniversário o volume 2 ♥, agora preciso do volume 1 pra começar a leitura, né?
Fico super feliz de minha biblioteca de quadrinhos estar aumentando, sério. É um pouco mais difícil colecionar HQs do que livros, na minha opinião, mas é muito gostoso! 




HQ A Guerra dos Tronos Vol. 3 - George R. R. Martin

Gente, vocês nem imaginam meu desespero a hora que vi que já tinha saído o vol. 3 pra vender. Estou maluca demais atrás de conseguir essa belezura, socorroooooooooooooo ショック!
Aliás, eu fiz resenha dos dois primeiros volumes, se quiser dar uma olhada clica aqui





Protocolo Bluehand: Alienígenas - Eduardo Spohr, Alexandre Ottoni e Deive Pazos

Eu já to cansada de colocar esse livro em absolutamente toda wishlist que eu faço. Por que diabos ainda não tenho ele na minha estante? 
Sério. 







Guia Essencial da Bruxa Solitária - Scott Cunningham

O primeiro livro da minha extensa lista de livros sobre bruxaria/wicca. Muitos colegas dizem ser um livro imprescindível na vida de qualquer iniciante solitário. 
Um amorzinho. ♥







Esses são os desejados dessa vez. E gente, não tem nenhum livro do Tolkien nessa turma toda 叫び ! Mas calma, é só que os livros do mestre pedem toda uma wishlist separada, né.
Espero que vocês tenham curtido, e se quiserem me dizer quais desses livros vocês também querem ler, manda ver nos comentários.
Beijocas.

Se você quiser ver mais dos meus livros desejados ou lidos acesse meu perfil no skoob

10 de outubro de 2014

Abraçando patinhas! ♥

Para ilustrar esse post, nossa companheira Merida. :)
Esse mês no Rotaroots temos um tema especial, o Abraçando Patinhas. E basicamente nosso objetivo é conscientizar sobre a adoção consciente e a guarda responsável e, além disso, conseguir ~toneladas~ de ração para uma ong que cuida de cãezinhos menos afortunados. 
Eu raramente converso ou escrevo sobre esse assunto, porque a negligência com animais é uma das coisas que mais me magoam e me deixam com muita raiva nesse mundo. Mas dessa vez é por uma boa causa.
A gente sempre pensa que, se pudesse, adotaria todos os cães/gatos/bichos de rua e amaria e cuidaria e tudo, e é justamente aí que começa o erro. A adoção consciente é justamente você adotar um animal sabendo que vai ter condições de cuidar dele até o fim da vida, dando carinho, comida, cuidados de saúde, higiene, espaço, etc. 
Tem gente que dá bicho de presente pra criança, pra namorada, pra todo mundo, mas calma lá. Não sou contra você dar um animal pra uma criança não, mesmo porque acho super saudável criar uma criança junto com um cachorro/gato desde cedo, justamente pra acostumar e criar nela aquele carinho especial e o importantíssimo respeito por animais, o que evita muitas mordidas/arranhadas mais tarde. MÃS: só dê com a permissão da família e com a certeza de que o bicho será bem cuidado, terá espaço, comida, carinho e tudo que eu já falei antes. 
Quanto à compra x adoção: adotar é tudo de bom, mas nem sempre dá. Comprar também é legal, mas nem sempre dá. Cada um faz o que pode. Se seu sonho é ter um Beagle, você provavelmente não vai encontrar um para adoção, paciência, compre. Mas se comprar, tenha certeza de não fazer do animal um bem material, uma máquina de fazer filhotes com pedigree, ou algo assim. Se você não liga pra raça, adote. Vai lá, pega um filhote pra doação, ou melhor ainda, adote um crescidinho que está abandonado (sempre levando ele ao veterinário e tomando os devidos cuidados, claro). Não existe isso de certo e errado se você realmente quer dar amor e cuidar de um animal. 
Eu já tive muitos cães. Grandes, pequenos, de raça, vira-latas, alguns viveram décadas, outros pouquíssimo tempo. Todos foram especiais, todos me deram amor, todos me ensinaram que por mais que as pessoas me decepcionem, os animais sempre serão uma companhia maravilhosa. 
Hoje em dia tenho uma cadelinha lá em casa, e gostaria muito de ter um gato. Mas eu não vou adotar um gato, porque eu sei que minha família não aceitaria e eu teria que devolvê-lo e isso me machuca, e machucaria a ele também. Mas eu faço minha parte: quando vejo alguém doando/procurando o dono de um bicho, eu ajudo, eu divulgo. Eu ainda não tenho dinheiro pra ajudar abrigos, adotar um bichinho "a distância", mas eu acho que cada um deve fazer o que estiver ao seu alcance, e isso já ajuda muito. 
Nesse projeto do Rotaroots, por exemplo, eu estou ajudando com a divulgação e a conscientização. Você também pode ajudar assim, ou pode doar a quantidade que quiser aqui ou em qualquer outro lugar que quiser. Você pode dar comida, água e carinho pra um cachorrinho ou gatinho de rua que você sempre veja. Você pode ensinar seus priminhos, irmãozinhos ou qualquer outra criança do quanto é importante cuidar desses amigos. Apadrinhe um cãozinho, adote, faça o que puder para ajudar, mas só o que puder, tá?
Pra terminar, tenho algumas dicas: 
  • Se você mora num lugar quente, como eu, não adote uma raça de origem em lugares frios (Husky, São Bernardo, etc), pois o bichinho vai sofrer no calor.
  • Se você mora num lugar com pouco espaço, evite cães grandes e agitados, caso contrário o bicho poderá ficar depressivo e gordo por falta de atividades. 
  • Não corte a orelha e o rabo do seu cachorro, poxa vida.
  • Fique sempre atento aos sinais que seus bichos dão, não invada demais o espaço deles e procure o melhor meio de ensiná-los sem violência. 
  • Nunca, jamais, em hipótese alguma, abandone seu bicho. Caso você não possa mais ficar com ele por algum motivo de força maior, doe para alguém disposto a cuidar com tanto carinho quanto você cuidava. 
  • Se você optou por algum cão de raça, procure estudar sobre as peculiaridades dela, as possíveis doenças e como evitá-las.
  • Nunca se esqueça de que seus bichos tem sentimentos, tantos e até mais do que você. 
Como eu disse, tenho um pouco de experiência com cachorros, nem tanto com gatos, então meu post pode ficar um pouco inclinados aos cachorriros, mas isso tudo vale pra bichanos, roedores, etc etc etc, ok? 
Lembrem-se sempre que animal é assunto sério. Tanto que muitas vezes, eles podem até de ajudar a superar um problema de saúde, sabia? 
Vamos espalhar pelo mundo a importância dessa mensagem, gente. Conto com vocês! 

Esta blogagem coletiva faz parte do projeto Abraçando Patinhas, uma iniciativa do Rotaroots em parceria com a marca de ração Max – da fabricante Total Alimentos (http://www.maxtotalalimentos.com.br/). Esta iniciativa reverterá na doação de 1 tonelada de ração para a ABEAC (http://www.abeac.org.br/), ONG responsável pelo bem estar de cerca de 1100 cães. Saiba mais sobre o projeto no site do Abraçando Patinhas (http://rotaroots.blog.br/abracandopatinhas/) ou participando do grupo do Rotaroots no Facebook (https://www.facebook.com/groups/rotarootsblogs/).

8 de outubro de 2014

Contatos imediatos (ou não).



Bom dia pessoinhas. 
Eu estava aqui esperando pela inspiração de outubro aparecer pra eu poder postar coisas incríveis pra vocês, mas acabei chegando ao dia 08 sem absolutamente nenhuma ideia. Então lembrei que, quando criei o blog, tinha a ideia de postar sobre absolutamente qualquer assunto aleatório que me dissesse respeito, me interessasse, etc. 
O que eu percebi foi que, apesar de eu realmente postar coisas aleatórias, nunca entrei no mérito de assuntos mais "obscuros" pelos quais eu me interesso e possuo algum conhecimento sobre. 
Resgatando a premissa do blog, eu resolvi vir aqui falar sobre algo que eu acho que já deu pra perceber que eu gosto: ufologia. Minha história com essa ciência começou ainda criança, quando nos anos 90 era febre e passava no fantástico e etc e eu simplesmente me cagava de medo. Eu tremia e sonhava com tudo relacionado a alienígenas e era aterrorizante. Até que um dia, entre a primeira vez que eu vi MIB e quando comecei a ler coisas mais sérias e menos infantis, o medo se tornou paixão e curiosidade. Quando eu comecei a usar a internet, uma das primeiras coisas que fiz foi começar a pesquisar entre os sites de ufologia (sérios ou não), e aos poucos fui construindo uma base de informações, que hoje em dia até me dá um pouco de orgulho.
Mas tudo começou a fazer sentido mesmo depois da primeira vez que eu vi com meus próprios olhos um OVNI. Depois da primeira experiência, todas as histórias que já tinha ouvido, as histórias da família (que já tiveram vários contatos, por incrível que pareça), as histórias da internet, da televisão. 
Eu sei que muitos acham isso besteira, mas é um assunto do qual eu me considero apta a falar, e realmente levo a sério (mas isso não significa que os posts serão sem graça, relaxem), portanto eu vim trazer para vocês, queridos leitores, a proposta de abrir essa categoria aqui no blog.
Quero discutir minhas experiências, experiências de conhecidos e familiares e as de vocês também, se estiverem dispostos a compartilhar algo que tenha acontecido. 
Eu senti a necessidade deste "post de abertura", porque esse assunto exige demais a interação de quem lê. Quero saber das pessoas que gostam do blog, visitam de vez em quando e realmente gostam de aprender coisas novas, a opinião sobre algo que pode ser tão fascinante, quero ouvir suas opiniões e histórias, e também quero saber o que vocês acham das experiências pelas quais eu ou outras pessoas passamos. E o nome dessa nova categoria será I Want to Believe (por quê, será?). 
E aí, o que vocês acham? Topam entrar nessa aventura comigo? 
Esperarei com carinho a resposta de vocês. ♥

The truth is out there. 

 
Flying Saucer